12 de fevereiro de 2014

Tiroteio após assalto no centro termina com um bandido morto

Polícia revidou disparo de um dos integrantes da quadrilha, que não resistiu; outros dois fugiram e um foi preso

Erick Paiatto
Rua Coronel Souza Franco, onde houve o tiroteio, foi isolada pela PM; moradores ficaram assustados
Um homem identificado como Éder Lucas dos Santos, de 21 anos, foi morto durante troca de tiros com a Polícia Militar, no começo da tarde de ontem, nos fundos de uma loja de bolsas da rua Coronel Souza Franco, no centro de Mogi das Cruzes. Além dele, Paulo Henrique Silva dos Santos, 19, também estaria envolvido na mesma ocorrência de roubo a uma loja de celulares, na rua Doutor Ricardo Vilela, e acabou preso em flagrante pelo crime, enquanto tentava fugir em um ônibus.

O assalto à loja de celulares da Ricardo Vilela aconteceu por volta das 13 horas, quando um homem entrou no estabelecimento e pediu para ver os aparelhos e, em seguida, outros dois (estando um armado) anunciaram o roubo. A polícia também suspeita que um quarto assaltante esteja envolvido na ação e que ele tenha ficado do lado de fora, dando cobertura aos comparsas. Dois funcionários do comércio teriam sido dominados, enquanto os ladrões separavam os objetos a serem levados. Uma das vítimas teria, inclusive, levado uma coronhada de um dos assaltantes, que, conforme a polícia, seria o suspeito que foi morto.

Só que um pedestre, ao passar pelo local, estranhou a movimentação na loja e avisou policiais militares que faziam Atividade Delegada nos arredores. Foi pedido reforço também a PMs da base comunitária, que fica próxima à loja, e os acusados fugiram. Em meio à correria, segundo o major Marcos Paulo, o acusado Santos dobrou a esquina e entrou na Coronel Souza Franco. "Ele entrou em uma loja de bolsas, em frente ao Mercado Municipal, e tentou se esconder em um quarto, nos fundos".

A proprietária da loja, que preferiu não se identificar, comentou ter levado "um susto" quando o homem entrou. "Ele veio correndo, eu estava no caixa e ele me disse: ´Vou me esconder aqui, porque estão querendo me pegar´. Mas eu nem imaginei que ele fosse bandido. Saí e gritei, quando vi os policiais vindo atrás dele e pedindo para os comerciantes abaixarem as portas. Foi quando vi que o homem atirou contra eles e eles revidaram", descreveu. A empresária comentou que "teve sorte", por não ter sido feita refém e porque tinha acabado de deixar os filhos pequenos na escola. "Eu estava sozinha na loja".


Fuga
Enquanto ocorria o tiro-teio, em que Santos (que estava armado com uma pistola calibre 380) foi alvejado por, aproximadamente, quatro disparos, segundo a polícia, outra equipe da Atividade Delegada saía no encalço dos demais suspeitos. 
O capitão Amaral afirmou que o segundo homem foi detido dentro de um ônibus nas proximidades. "Ele foi pego graças à ajuda do serviço de monitoramento da Prefeitura, que nos passou as características dele e, após abordado, ele foi reconhecido e preso".

O tenente Carlos Eduardo, do Comando de Força Patrulha, também explicou que outros dois fugiram e que os dois homens identificados são de Guaianazes, bairro da zona leste da capital paulista.

A PM disse que o que foi morto possuía, inclusive, tatuagens semelhantes às usadas por integrantes de uma facção criminosa. O corpo dele foi retirado do local por volta das 17 horas, mas as lojas reabriram cerca de duas horas após o ocorrido e a via foi liberada para a passagem de automóveis por volta das 16 horas. 
Compareceram ao local peritos da Polícia Científica, investigadores do Setor de Homicídios de Mogi - onde a ocorrência foi registrada e a Corregedoria da Polícia Militar, para os levantamentos de praxe.
Fonte:Mogi News

0 comentários:

Postar um comentário