1 de janeiro de 2013

Um vereador a mais


Se cumpridos, alguns dos planos dos novos vereadores tendem a ampliar o interesse pela atuação do Legislativo e do Executivo entre 2013 e 2016. O novo perfil da Câmara pode oxigenar favoravelmente o relacionamento entre a sociedade civil e o poder público, com o incentivo à participação popular encontrado no discurso de alguns dos parlamentares empossados hoje.
A Câmara está maior, com 23 cadeiras, sete a mais criadas após mudanças na legislação eleitoral; mais representativa, com a presença de quatro partidos que ficaram de fora da gestão anterior [PT, PV, PPS e PRB] e 11 legendas no total; e um tanto mais jovem, com um grupo de 10 vereadores com até 45 anos. O perfil da Casa ganha em diversidade em comparação com o de quatro anos atrás.
A apresentação do Legislativo feita por O Diário na edição de domingo último revela mais do que dados estatísticos. A começar pela disposição de se tornar realidade as sessões noturnas, defendida pelos novatos como uma forma de atrair a população para as principais discussões e ações que interessam à Cidade. A medida conta com a anuência de veteranos parlamentares.
A Cidade espera por novas ideias, maior empenho dos vereadores.  Da fala dos 23 vereadores abstrai-se o desejo da maioria em atender ao que mais preocupa os mogianos em ações pontuais como a demora na consulta médica, a falta da radioterapia; e generalizadas, como a atenção à geração de emprego e à zona rural.
Há propostas a conferir, como a de Clodoaldo Aparecido de Moraes, do PT. Ele quer priorizar essa participação popular, com o apoio a movimentos sociais organizados e a ampliação das audiências públicas. Junto com as sessões noturnas, seria algo como garantir ao povo a ocupação da cadeira de número 24 na Câmara.
Que não se enganem os vereadores e nem os eleitores, há de se trabalhar muito para tornar as sessões palatáveis a um cidadão desanimado com o poder público de maneira geral. Mas, há pouco, um exemplo caseiro sugere que o mogiano está mais interessado no futuro da Cidade: ano passado, as audiências públicas realizadas para discutir as mudanças no zoneamento tiveram adesão em todos os bairros contemplados com os encontros.
A este jornal interessa esse viés democrático, esperado pela pluralidade de legendas, pela renovação de nomes, mas também os resultados e a mão firme na fiscalização do gasto do dinheiro público e na conquista de uma Mogi melhor.
Fonte:O Diário de Mogi

Um comentário:

  1. Srs. nobres vereadores a população esta cansada de verem seus votos irem ralo abaixo, espero que com estes novos vereadores algo seja feito pois o povo esta desacreditado, não confiam no legislativo. Srs. cuidado pois quatros anos passam rápidos.

    ResponderExcluir