14 de janeiro de 2013

Prefeito tucano de Piracicaba rejeita 'bico da PM' idealizado por Alckmin


Prefeito tucano de Piracicaba rejeita 'bico da PM' idealizado por Alckmin

O prefeito de Piracicaba, Gabriel Ferrato (PSDB), afirmou na manhã desta segunda-feira (7) que só vai dsc 0194instituir o “bico oficial” para policiais militares no município quando ficar comprovado que o programa criado pelo governo do Estado, que também é tucano, produz resultados positivos no combate à criminalidade. Ferrato participou de aula inaugural do curso de formação de guardas municipais. Após o...
evento, ele disse que prefere aplicar a verba da Prefeitura na ampliação da Guarda ao invés de repassar dinheiro para o projeto do governador Geraldo Alckmin (PSDB)
O“bico oficial” da PM, batizado pelo Estado de Atividade Delegada, prevê a assinatura de convênio entre a Polícia Militar e as prefeituras. Pelo programa, policias de folga, que quiserem, podem trabalhar fardados e armados em operações definidas pelo município, ampliando o efetivo de PMs nas ruas. E o serviço é remunerado pelas prefeituras.
“De início não vamos adotar a Operação Delegada. Talvez, no futuro, isso possa acontecer, mas por enquanto não há comprovação de que a medida dê algum resultado”, afirmou Ferrato.
Guarda Municipal
Para o prefeito, a Guarda Municipal de Piracicaba tem ação efetiva e também por isso não é necessária implantar o “bico oficial” da PM na cidade. “Ao invés disso, preferimos ampliar o efetivo de guardas.”
De acordo com o comandante da Guarda, capitão Silas Romualdo, a corporação tem hoje 406 homens e mulheres. Mais 37 que começaram o curso de formação da guarda nesta segunda-feira devem integrar o efetivo até junho, segundo Romualdo.
O 'bico oficial'
As primeiras cidades paulistas que adotaram a Atividade Delegada foram São Paulo e Mogi das Cruzes. No ano passado, projeto assinado por Alckmin foi enviado em junho para a Assembleia Legislativa, liberando o “bico oficial” para todas as cidades do Estado. A proposta foi aprovada em novembro. Procuradas, as assessorias de imprensa da PM e da Secretaria de Segurança Pública, não se manifestaram.
Fonte:http://www.agcmg.com.br

0 comentários:

Postar um comentário