30 de janeiro de 2013

Jovens usam drogas em Parque Botyra Camorim no Centro Cívico




Em plena luz do dia, os frequentadores do Parque Botyra Camorim Gatti, no Centro Cívico, precisam dividir o espaço municipal com usuários e traficantes de drogas. O Diário esteve no local ontem (29) e flagrou ao menos seis pessoas utilizando entorpecentes. A base 24 horas da Guarda Municipal, instalada no espaço, estava fechada durante a tarde desta terça-feira. Os visitantes pedem o reforço na segurança com receio de que lá se torne uma nova “Cracolândia” (região no Centro da Capital conhecida pela presença de muitos usuários de crack, droga produzida a partir da cocaína).
A reportagem esteve no local durante a manhã e tarde. Por volta das 11 horas, cinco jovens fumavam o que pareciam ser cigarros de maconha feitos de papel de seda, com aproximadamente 15 centímetros. Eles estavam em banco próximo ao portal de entrada do parque. Despreocupado, o quinteto usava entorpecente tranquilamente enquanto alguns frequentadores do local faziam atividades físicas.
O mais velho, que aparenta ter 25 anos, fica sempre em pé, responsável por monitorar se algum policial ou agente da Guarda Municipal pode aparecer. O restante não chega aos 20 anos. Um deles começou a pôr a erva na folha e enrolá-la livremente.
Localizado em área nobre da região central - próximo à Prefeitura, à Câmara Municipal, à Delegacia Seccional, ao Fórum Central e ao Corpo de Bombeiros -, o local costuma ser muito frequentado. “Se nas costas de todos esses prédios importantes o descaso está assim, imagina se ficasse longe. É perigoso. Nós evitamos sair para não enfrentar riscos”, comentou o ajudante Reginaldo de Jesus, 30, que passeava com a mulher, Viviane, 30, e o filho, Davi, 1, ontem à tarde pela área de recreação.
Neste mesmo horário, dois jovens não se preocuparam em se esconder da reportagem. Um deles continuou a usar drogas enquanto era fotografado. Quando o carro da equipe passou pelo local, a dupla disparou xingamentos aos gritos. Um garoto, aparentando 7 anos, passou em uma bicicleta dizendo que “era para parar de fotografar e deixar os mano (sic) em paz”. Toda a cena a poucos metros da base da Guarda Municipal, que foi mantida fechada durante os 50 minutos em que a reportagem permaneceu no local.
“Quem anda por aqui vê de tudo. Precisam reforçar a segurança. Caso contrário isso daqui vai se tornar uma “Cracolândia”. A função da Guarda é de assegurar o patrimônio, mas acho que neste caso poderia instruí-la a agir de forma mais ampla no parque, abordando usuários e possíveis traficantes. Eles estão aí todos os dias”, afirmou o aposentado Antonio Chans, 83, que fazia caminhada pelo espaço.
A dona de casa Tânia Sueli de Andrade, 48, aponta que o monitoramento eletrônico e operações casadas da Polícia Militar e da Guarda podem acabar com o problema. “Além disso, tem a questão da pichação que também pode ser resolvida. A Prefeitura precisa atentar para a limpeza do lugar, o mato está altíssimo”, observou referindo-se à grama alta.
De acordo com a Coordenadoria de Comunicação da Prefeitura, equipes da Secretaria de Serviços Urbanos fazem a limpeza do local e cortam o mato. “Desde ontem (anteontem) à tarde, os funcionários atuam no Parque Botyra Camorim e devem ficar até os próximos dias”, informou.
Fonte: O Diario de Mogi

0 comentários:

Postar um comentário