16 de outubro de 2012

MP exige regularização na Guarda



A Promotoria do Patrimônio Público e Social acatou solicitação da Associação dos Guardas Civis Municipais de Mogi das Cruzes (AGCMMC) e do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap) e recomenda à Prefeitura que adote providências imediatas para regularizar a situação de funcionários públicos em funções indevidas. O promotor de justiça, Alexandre Mauro Alves Coelho, pede que sejam canceladas designações ilegais e inconstitucionais dos servidores que exercem as funções de “fiscais operacionais” e se cumpra os pré-requisitos exigidos para a nomeação dos cargos de “fiscais de serviços”.
A ação das entidades representativas da categoria foi movida por meio de inquérito civil, que motivou o promotor a solicitar “providências imediatas” no sentido de acabar com as nomeações irregulares dos oito funcionários que estão ocupando o cargo na Guarda Municipal, além de cancelar o pagamento das gratificações que recebem na função.
O Promotor explica que se trata de uma investigação a respeito da nomeação para os cargos e as exigências de requisitos, no caso uma espécie de prova de seleção interna, exigidos por lei para o preenchimento das funções de “Fiscais de Serviços”, que não estão sendo cumpridos pela atual Administração. Ele aguarda esclarecimento e providencias por parte da prefeitura para dar encaminhamento ao processo. O prazo é de 30 dias.
O secretario geral da AGCMMC, Claudio Henrique da Silva, que divulgou a informação, argumenta que o objetivo da diretoria é que seja cumprido o estatuto, para que todos tenha a mesma chance de evoluir dentro da Guarda.
A Prefeitura se pronunciou ontem sobre o assunto. O secretario municipal de Segurança, Eli Nepomuceno, informou que já está prestando as devidas informações sobre o caso ao MP. Ele admite que a ascensão na carreira da Guarda deve ser por meio de concurso, mas alega que um dos requisitos previstos na lei só poderá ser cumprido a partir do segundo semestre de 2013, já que é exigida a média das três ultimas avaliações de desempenho do servidor, motivo pelo qual ainda não ocorreu o concurso para promoção.
Quanto aos dois cargos de fiscais de serviços, ele informa que, na pratica as funções já existiam quando o estatuto foi aprovado e a Guarda não pode ficar sem estas atividades até que o concurso seja realizado, já que isto causaria problemas administrativos para o setor, o que significa que os funcionários devem continuar nas suas funções.
Nepomuceno diz que os oitos guardas passaram a auxiliar a Administração na coordenação e controle de serviços operacionais. “O emprego nestas atividades tem caráter provisório, até que seja possível realizar o concurso interno e está amparado legalmente”.
Fonte: O Diário de Mogi

0 comentários:

Postar um comentário